Cirurgia de Glaucoma: ECP

corpo ciliar onde é feita a cauterização pela cirurgia de glaucoma

Glaucoma é uma doença que causa cegueira. É a maior causa de cegueira irreversível da atualidade. O tratamento deve ser bem conduzido pois cada ângulo do campo de visão perdido, não se recupera mais. O glaucoma mais comum é o decorrente do aumento da pressão intraocular. O tratamento segue um protocolo que começa com o controle da pressão com colírios. Os casos em que o colírio ou outros procedimentos não respondem ao tratamento, são chamados glaucomas refratários: aqueles casos em que tratamento após tratamento as respostas do paciente vão mudando e a pressão intraocular continua subindo. Há que se avaliar qual a conduta a ser tomada diante de cada caso. Esperar que o campo de visão diminua não é cauteloso. Portanto, há técnicas cirúrgicas que obtém resultados mais efetivos.

A Cirurgia de Glaucoma

Dentre as técnicas atuais, uma toma destaque: a Ciclofotocoagulação Endoscópica. Essa técnica foi criada há alguns anos. Em 1999, dois brasileiros entre os quais, o Dr Francisco Lima, realizaram a cirurgia de uma forma em que foi possível utilizar o laser com total visualização do corpo ciliar pelo endoscópio. A grande dificuldade em se realizar essa cirurgia era a visualização do corpo ciliar, cuja estrutura tem parte dela cauterizada pelo laser. Os médicos brasileiros criaram uma forma de fazer isso e essa técnica, em 1999 recebeu um Oscar nos EUA como melhor técnica. Hoje está sendo considerada uma novidade para o tratamento efetivo do glaucoma refratário. É uma forma de agir na raiz do problema: cauterizando parte do corpo ciliar (responsável pela produção de líquido - humor aquoso - dentro do olho), se tem a redução da produção do líquido. Controlar a pressão é reduzir a quantidade de líquido ou escoar esse líquido. Algumas técnicas tem por objeto escoar o líquido porém, esses canais de escoamento geralmente infeccionam ou se fecham, continuando o problema e acrescentando mais um trauma ao olho. A ciclofotocoagulação é efetiva na redução de produção de líquido. Uma vez tendo menos líquido no olho, menos pressão sobre o nervo óptico e consequentemente o controle do glaucoma, preservando a visão ainda existente.

Para avaliar se o seu caso pode ser submetido a essa cirurgia, marque uma consulta conosco através do site, ou nos contate pelo Telefone (62)3252-5590.