Estudo afirma que glaucoma pode ser detectado 10 anos antes dos sintomas começarem

pessoa sendo examinada pelo oftalmologista

O Glaucoma, causado pela morte de células retinianas na parte posterior do olho é uma doença ocular que afeta 60 milhões de pessoas em todo o mundo. De cada 10 pessoas com glaucoma, 1 fica completamente cega.

Uma recente pesquisa utiliza um marcador especial que se liga às proteínas celulares nos olhos, fazendo com que células pouco saudáveis ​​apareçam como manchas fluorescentes brancas durante um exame ocular. Essa nova técnica também tem potencial para diagnosticar outras condições, como a doença de Alzheimer, Parkinson e esclerose múltipla. 

Esse teste no olho poderia salvar a visão de muita gente, ajudando médicos a enfrentarem a maior causa global de cegueira permanente: o glaucoma. A perspectiva é que o teste permita que o glaucoma seja detectado 10 anos antes dos sintomas começarem, de modo que o tratamento possa se iniciar antes mesmo que a visão comece a se deteriorar.

A nova técnica, faz a detecção de células retinianas com apoptose (células retinianas mortas) através de uma substância fluorescente especial que as destaca, mostrando quais as células que já morreram, mesmo que em quantidade  pequena. Células pouco saudáveis ​​aparecem como manchas brancas fluorescentes durante um exame ocular que emprega equipamentos rotineiramente mantidos em hospitais. A professora Francesca Cordeiro, do Instituto de Oftalmologia da Universidade de Londres, que liderou a pesquisa, disse: "A detecção precoce do glaucoma é vital, pois os sintomas nem sempre são óbvios". Embora a detecção tenha melhorado, a maioria dos pacientes perdeu um terço da visão no momento em que são diagnosticados. Segundo a pesquisadora, "pela primeira vez,  somos capazes de mostrar a morte celular individual e detectar os primeiros sinais de glaucoma. Embora não possamos curar a doença, nosso teste significa que o tratamento pode começar antes que os sintomas comecem. No futuro, o teste também poderia ser usado para diagnosticar outras doenças neurodegenerativas”.

Os resultados de um ensaio clínico inicial do teste aparecem na última edição da revista Brain.

Um total de oito pacientes com evidência de neurodegeneração retiniana e oito indivíduos saudáveis ​​participaram do estudo.

O teste Darc, como é chamado, permitiu identificar as células marcadas até seis horas após a injecção da substância. Um resultado positivo do teste foi significativamente correlacionado com um diagnóstico de glaucoma e posterior perda de visão. Verificou-se que o marcador fluorescente, conhecido como ANX776, era seguro e bem tolerado, sem efeitos secundários adversos. "O tratamento é mais bem sucedido quando é realizado em estágios iniciais da doença, quando a perda de visão é mínima", disse Philip Bloom, do Western Eye Hospital (Imperial College Healthcare NHS Trust). "Com base na pesquisa, poderíamos diagnosticar pacientes 10 anos antes do que era anteriormente possível." Cientistas acreditam que o teste pode ter aplicações mais amplas porque os nervos que nos ajudam a ver são essencialmente uma extensão do cérebro. A morte celular programada, ou apoptose, na parte posterior do olho poderia fornecer uma indicação precoce de doença neurodegenerativa. 

Bethan Hughes, da equipe de inovação da Wellcome Trust, disse: "Esta inovação tem o potencial de transformar vidas para aqueles que sofrem perda de visão através do glaucoma e oferece esperança de um avanço no diagnóstico precoce de outras doenças neurodegenerativas. Ao envelhecermos, a perda de visão afeta a qualidade de vida e a independência". 

 

Fonte: dailymail.co.uk/health/article-4451136/Eye-test-spot-glaucoma-10-YEARS-symptoms.html#ixzz4ggOAPWKQ

Tags: